Conservação de alimentos em comércios

Quando falamos de estruturas para serviço de alimentação em geral, é de suma importância à preocupação com o armazenamento e a conservação dos alimentos.

Podemos dividi-los, principalmente, entre perecíveis e não perecíveis, e cada tipo necessita de uma estrutura adequada, com o objetivo de manter sua integridade e oferecer segurança para o consumidor.

A conservação de alimentos secos

Alimentos secos, como grãos e cereais integrais, precisam ser armazenados em locais frescos e fora da incidência solar. Por isso, ao comprarmos grãos ou produtos secos industrializados, costumamos encontrá-los em embalagens de plástico.

E muitas vezes, selada a vácuo, garantindo sua preservação e evitando contato com o ar, que pode ajudar na proliferação da vida.

E iniciar um processo de decomposição do alimento, por exemplo, oferecendo riscos à saúde do consumidor. Na venda a granel, a forma de estocagem é um pouco diferente.

Existem grandes recipientes de plástico ou acrílico, próprios para armazenar os produtos e, através de uma concha para cereais, os grãos são colocados em sacos de plástico direto para o cliente final.

Normalmente, a compra à granel é mais barata, pois dispensa embalagens próprias, mas seu risco de contaminação, por conta de sua exposição, também é maior.

Como manter a qualidade dos alimentos perecíveis?

Os alimentos perecíveis necessitam de maior cuidado, sua contaminação pode causar sérios danos à saúde humana e por isso, fazer a conservação adequada é muito importante e deve ser foco de atenção constante.

As carnes, por exemplo, precisam de refrigeração ininterrupta, tanto para sua manipulação, quanto para sua exposição e venda.

É possível conservar as carnes de duas maneiras: através de refrigeração ou congelamento. Tudo vai depender do tempo que o produto vai demorar para ser usado.

Para congelar as carnes, o método mais indicado é com o ultracongelador. Esse moderno equipamento, executa o congelamento rápido de insumos.

Garantindo, assim, sua máxima preservação e evitando o risco de contaminação, por bactérias ou contato excessivo com o oxigênio.

Para a refrigeração das carnes, em restaurantes principalmente, são utilizadas as câmaras frias, existem diversos tamanhos de câmaras para quantidades diferentes de produtos.

Independente do modelo, todas contam com termostatos que controlam a temperatura interna câmara. Para açougues, que buscam a exposição do produto para os clientes finais, o mais indicado são os balcões de refrigeração.

Esses balcões, normalmente produzidos com vidros que transformam o balcão em uma grande vitrine, também possuem temperaturas controladas. Logicamente, a manipulação correta do insumo, também interfere em sua conservação.

O profissional deve se ater às regras de manipulação, como o uso de luvas descartáveis, a higienização das mãos e do ambiente de trabalho (tábuas, facas, balcões), etc.

O interessante do balcão refrigerado, é a sua versatilidade, pois também podem ser utilizados para a exposição de outros produtos, como queijos, embutidos e produtos do gênero.

O investimento para esse equipamento, é bem menor do que de uma câmara fria. O balcão refrigerado preço, varia de oito mil reais até onze mil reais.

Tudo depende do tamanho, da estrutura e da demanda do estabelecimento. Esse balcão também pode ser utilizado em outros setores do ramo de alimentos e bebidas.

Principalmente em confeitarias e lojas especializadas em doces. Os doces frescos, de modo geral, sempre contêm produtos perecíveis como leite, creme de leite fresco e ovos.

Por isso, sua conservação e manipulação devem ser feitas com todo cuidado, assim como as carnes e outros produtos de fácil contaminação.

O ramo de confeitaria de bolo utiliza de forma muito inteligente esses balcões, por conta de seus preparos elaborados, onde o visual tem uma grande importância.

Os balcões, além de conservar, funcionam como uma grande vitrine de exposição. Conseguimos entender um pouco da grande versatilidade e utilização dos balcões refrigerados e agora vamos resumir suas principais qualidades:

  • Conservação dos insumos;
  • Controles de temperatura;
  • Vitrines para exposição;
  • Evitam os riscos de contaminação;
  • De fácil limpeza;
  • Fácil manipulação.

Os riscos de contaminação vão muito além da temperatura de conservação, muitos outros fatores podem ser responsáveis, por isso e pela inutilização para o consumo humano.

Um grande exemplo disso, é a contaminação cruzada, que acontece quando misturamos tipos diferentes de carne na mesma tábua ou mesa de trabalho, por exemplo: frango e carne bovina, sendo manipulados com os mesmos equipamentos, seja faca ou espátula.

É essencial manter a constante limpeza do ambiente, além de utilizar luvas descartáveis para manipulação e a higiene das mãos e utensílios de trabalho.