O que é faturamento e como ele se diferencia do seu lucro?

 

Saber o que é faturamento e como ele se diferencia de lucro é um dos principais pré-requisitos para administrar bem um negócio. Neste texto, você vai entender com clareza o que é faturamento, o que é lucro, e como eles se diferenciam.

Na primeira parte você vai aprender sobre as diferenças entre faturamento líquido e bruto. Em seguida, vai conhecer as principais diferenças entre faturamento e lucro, e suas formas de cálculo. Por último, vai entender como um software de ERP pode auxiliar na identificação dos dados dessas importantes variáveis.

O que é faturamento?

Faturamento é a quantidade de dinheiro que entra no caixa de uma empresa em um determinado período — normalmente um mês, um trimestre ou um ano. A origem do faturamento está na venda de produtos e serviços. Existe um longo debate no Brasil sobre a diferença entre faturamento receita. Esse debate ocorre principalmente no meio jurídico porque esses termos são usados no cálculo de impostos.

Algumas decisões jurídicas apontam na seguinte direção: o faturamento faz parte da receita, que, por sua vez, inclui também os resultados não-operacionais. Se uma empresa vende uma fábrica, recebe dividendos ou aufere a indenização de um seguro, esse dinheiro constitui receita, mas não faturamento, já que não faz parte do objetivo ou cotidiano da empresa (vender produtos e serviços em determinado segmento do mercado).

Neste artigo vamos nos concentrar em faturamento em vez de receita, porque o primeiro diz respeito à atividade-fim da empresa e porque a administração tem sobre ele maior controle.

Faturamento bruto

É a soma dos valores de todas as vendas realizadas pelo negócio em um determinado período. Vamos supor que no mês de janeiro, o Sr. Business tenha vendido 100 unidades de um produto a R$ 10. Seu faturamento bruto é muito fácil de calcular:

100 x R$ 10 = R$ 1.000

O faturamento bruto não inclui os impostos a serem pagos. Além disso, também não considera a entrada de receita a receber, ou seja, as vendas a prazo. Vamos imaginar que 50 das unidades foram vendidas a prazo: uma entrada será paga em janeiro (R$ 250) e os R$ 250 restantes apenas em fevereiro. Em termos de faturamento bruto, todo o montante será incluído, ainda que essa parte do dinheiro só vá entrar efetivamente no caixa no exercício seguinte.

Faturamento líquido

O faturamento líquido leva em conta os impostos diretos e também as vendas a prazo. No nosso exemplo do Sr. Business, o faturamento líquido em janeiro começa a ser calculado em R$ 750. Isso acontece porque parte das vendas foi feita a prazo. Os R$ 250 restantes serão pagos apenas no mês seguinte. Ou seja, o faturamento líquido leva em conta apenas o dinheiro que efetivamente entra naquele período.

E por que dizemos “começa a ser calculado em R$ 750”? Porque o faturamento líquido também desconta os impostos diretos. Um dos mais importantes é o ICMS. Vamos supor que sobre o produto do Sr. Business incide uma alíquota de 18%:

R$ 750 – 18% = R$ 615

A partir desse exemplo simples, começamos a ver como o faturamento líquido dá uma ideia mais precisa da real saúde do negócio. Números impressionantes de faturamento bruto se tornam bem menores quando já embutimos a alta conta dos impostos. Além disso, o faturamento líquido leva em conta apenas o dinheiro que realmente entra em caixa, deixando as parcelas que a empresa tem a receber para seus respectivos exercícios.

Portanto, o faturamento líquido é o melhor indicador da administração, certo? Errado. Faturamento, mesmo líquido, não é lucro, como nós veremos a seguir.

O que é lucro?

O lucro é a diferença que sobra após subtrairmos todas as despesas da receita (ou faturamento). Se sobrar, é claro. De forma geral, o lucro é uma recompensa pelos riscos assumidos pela empresa. Imagine que, em março, o Sr. Business compre uma quantidade de mercadorias por R$ 1.000 e revenda no mesmo mês por R$ 1.400. Ele pagou R$ 60 de despesas com fretes e armazenamento.

Vendas (faturamento) = R$ 1.400

Custo dos bens adquiridos = R$ 1.000 + R$ 60 = R$ 1.060

Lucro bruto = R$ 1.400 – R$ 1.060 = R$ 340

O lucro líquido vai incluir também as despesas indiretas. No mesmo mês de março, o Sr. Business pagou R$ 100 em salários e R$ 50 pelas despesas da loja, que somam aluguel e conta de luz. Portanto:

Lucro bruto = R$ 340

Despesas indiretas = R$ 150

Lucro líquido = R$ 340 – R$ 150 = R$ 190

Já começamos a identificar como o lucro líquido é um indicador mais preciso da saúde do negócio. Ele leva em conta todas as despesas diretas e indiretas, e por isso, calcula o que realmente entra de dinheiro “novo” no caixa.

Com isso, você já deve ter entendido como um negócio pode aumentar o faturamento e, mesmo assim, ter prejuízo. Isso pode acontecer se a margem de lucro dos produtos for baixa, se os impostos forem altos, ou pela força das despesas, como aluguéis, frete, folha salarial e assim por diante.

Como o lucro é uma relação entre faturamento e despesa, não necessariamente vender mais é a única ou a melhor solução para aumentá-lo. Por isso é importante investir em análise de dados.

Como um ERP ajuda a identificar e calcular faturamento e lucro?

Um software de Enterprise Resource Planning (ERP), como o Microsoft Dynamics 365 for Finance and Operations ajuda a integrar os dados e números dos diferentes departamentos da empresa em único painel. Ele pode produzir, automaticamente, relatórios e gráficos que mostrem, em tempo real, o que está acontecendo com os negócios.

As encomendas e vendas registradas ficam facilmente identificáveis, bem como as despesas diretas e indiretas incorridas pelos departamentos de RH ou calculadas pela contabilidade, por exemplo. As despesas específicas com ICMS de cada tipo de mercadoria podem ser calculadas automaticamente.

Identificar o que é faturamento e quanto realmente sobra de lucro fica muito mais fácil com um programa de ERP integrado, razão pela qual softwares desse tipo têm sido adotados por cada vez mais empresas.

Texto escrito por:  i9tec