Mitos e verdades sobre reconhecimento facial: descubra quais são

O reconhecimento facial está cada vez mais atrelado a serviços de autenticação, e hoje, é impossível imaginar um futuro que não utilize essa tecnologia. 

O crescimento do reconhecimento facial está intimamente atrelado à sua utilização como uma forma de senha. Para evitar fraudes e roubos, muitas empresas adotam essa inovação, que vem se mostrando bastante eficiente.

Neste artigo, abordaremos os mitos e verdades sobre o reconhecimento facial e como ele pode ser utilizado para o crescimento de negócios de sucesso. Se você possui uma empresa e quer investir em tecnologia, confira este artigo na íntegra e saiba tudo sobre o reconhecimento facial.

O que é reconhecimento facial e como ele é utilizado no dia a dia?

O reconhecimento facial é uma tecnologia capaz de analisar características faciais e reconhecer a quem esse rosto pertence a partir de uma base de dados. 

Muitas pessoas começaram a ter contato com  o reconhecimento facial recentemente, após eletrônicos como celulares e computadores adotarem a medida como uma forma de senha. Depois disso, outras empresas também passaram a utilizar o RF para oferecer serviços com mais segurança, como os bancos e aplicativos de compras online.

Porém, engana-se quem pensa que o reconhecimento facial é apenas utilizado para desbloquear aparelhos eletrônicos ou substituir a necessidade de senhas.

O reconhecimento facial é utilizado como um método de segurança em diversos locais, como:

  • Aeroportos para avaliar se o documento apresentado por passageiros é legítimo;
  • Algumas lojas utilizam o RF para reconhecer possíveis criminosos;
  • Verificação de fraudes em provas online;
  • O reconhecimento facial também é utilizado em alguns países como uma maneira de realizar pagamentos, sem a necessidade de cédulas ou cartões.

Apesar de todas as vantagens do RF, é fato que ele pode ser utilizado de forma não benéfica, mas, felizmente, isso pode ser evitado. Para isso, basta conhecer os mitos e verdades sobre o Reconhecimento facial e aprender a se proteger de fraudes e uso indevido de dados. 

Quais os principais mitos sobre o reconhecimento facial?

Apesar de o reconhecimento facial estar altamente atrelado ao cotidiano, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre essa tecnologia, principalmente, quanto ao seu uso em empresas. Veja abaixo os principais mitos relacionados ao RF:

A autenticação biométrica é considerada como invasão de privacidade

Muitas pessoas se sentem incomodadas quando entram em contato com o reconhecimento facial. Na maioria das vezes, o desconforto acontece porque as câmeras utilizadas para o reconhecimento dão a sensação de vigia constante. Porém, essa tecnologia, quando bem implantada, não oferece riscos para os usuários, uma vez que as câmeras analisam os dados apenas quando solicitadas. 

Além disso, existe um conjunto de leis específicas, chamadas LGPD, que verificam e regularizam o funcionamento e o uso de dados do reconhecimento facial.

A identidade pode ser roubada dos sistemas 

Assim como qualquer dispositivo de segurança, o RF é testado constantemente em busca de possíveis falhas no sistema. Além desses testes, sistemas de RF baseados em IA possuem uma interpretação única e anonimizada dos rostos, sendo virtualmente impossível utilizá-los fora do mesmo sistema.

Muito já foi estudado sobre a possibilidade de fraudes através do roubo de identidade de um usuário de RF através de elementos imagéticos que simulem rostos específicos. Para evitar esse problema, o RF conta com dispositivos de segurança que analisam micro variações dos rostos. Desse modo, o sistema consegue detectar tentativas de falsificação ideológica, auxiliando na diminuição das ameaças cibernéticas.

Biometria facial não reconhece todas as etnias

De fato, a etnia de uma pessoa é uma das características avaliadas pelo RF, porém ela não é a principal. Além desse ponto, a biometria facial também compara os seguintes  dados:

  • Distância entre os olhos;
  • Formato da face;
  • Distâncias entre nariz e boca.

A biometria facial trabalha com a comparação de dados contidos em seu sistema. Logo, é importante alimentar o RF com fotos das mais diversas pessoas para detectar etnias diferentes. Quanto maior a diversidade na base de fotos na fase de aprendizado, mais assertivo será o RF.

O RF pode usar fotos de redes sociais para autenticar identidades

Não! A maioria dos sistemas de verificação de identidade digital trabalham com mais de uma forma de avaliação. Dentre os itens avaliados estão a movimentação dos músculos da face e iluminação da imagem. Então, ao direcionar a câmera do sistema para uma foto, ele não entenderá a imagem como um rosto.

Mudanças visuais podem confundir o sistema do RF

Mudanças são inevitáveis em rostos humanos, seja por uma mudança proposital como cirurgias, seja por motivos naturais como o envelhecimento. O fato é que mesmo com essas modificações, o sistema de RH ainda consegue distinguir rostos, já que analisa uma união de fatores.

Verdades sobre o uso da biometria facial

Agora que você já sabe os mitos que envolvem a tecnologia de reconhecimento facial, chegou a hora de conhecer algumas verdades (e vantagens) desse sistema.

O reconhecimento facial é seguro e pouco invasivo

O RF utiliza a inteligência artificial como sistema de funcionamento, isso quer dizer que há uma base forte e competente por trás dessa tecnologia. Portanto, é muito difícil burlar uma plataforma que tem a biometria facial como principal forma de segurança. Além disso, essa tecnologia possui quase ou nenhum contato com o usuário, o que diminui ainda mais as chances de ser corrompido.

O RF protege suas informações no Metaverso

O metaverso é uma tecnologia que visa a imersão dos usuários em um mundo virtual por meio de avatares. Com a popularização do metaverso, muitas dúvidas surgiram quanto ao compartilhamento de dados nesta plataforma e também quanto à cibersegurança nesse espaço.

Uma das formas mais eficazes de evitar ameaças cibernéticas no metaverso é o reconhecimento facial. Com esse sistema, os usuários podem cadastrar seus dados tranquilamente, pois estão assegurados pela verificação de identidade com biometria facial. Evitando que outros se passem por ele dentro do metaverso.

O reconhecimento facial é uma boa forma para evitar fraudes

Existem diversas formas de proteger informações como senhas, verificação de dois fatores, e até mesmo biometria digital, que são corrompidas com facilidade. 

A biometria facial, além de avaliar várias características de uma só vez, também está em constante atualização para  melhor analisar os rostos.

Apesar de ser possível burlar a segurança de alguns sistemas de RF com uso de máscaras de silicone, por exemplo, esse ainda é o método mais seguro de autenticação de identidade, quando comparado aos demais. Além disso, já existem tecnologias acopladas aos sistemas de RF que dificultam ainda mais esses tipos de fraudes, como o liveness detection ou prova de vida.

É indicado usar a biometria facial para reduzir custos com a segurança

Uma empresa ou serviço pode oferecer segurança de dados para os clientes e utilizar outros métodos que não a biometria facial. Porém, será preciso investir em mais de um sistema de segurança, para garantir que a plataforma não será burlada. 

Com o RF, isso não acontece, já que ele é suficiente para realizar esse trabalho. Assim, só será necessário investir e manter a pena um método de verificação, o que reduz custos.

A tecnologia é eficiente e confiável

O RF, como dito anteriormente, realmente pode ser corrompido com a interferência humana. Contudo, sua vantagem é que ele é um sistema que é atualizado e melhorado a todo instante.

Um exemplo são os sistemas de Face Match e de liveness detection, que ajudam a biometria a ficar mais confiável. O primeiro é interessante, pois analisa fotografias de acordo com fotos específicas, como documentos oficiais de funcionários, cadastradas por fontes seguras no sistema. Já o segundo, é uma ferramenta que analisa movimentos dos rostos que não podem ser copiados por meio de fotos, máscaras rígidas e nem vídeos. 

Com essas inovações, o reconhecimento facial caminha em direção a um mundo em que a única senha utilizada é a face.

Conclusão

O reconhecimento facial se mostra, portanto, como uma forma eficiente de verificar identidades e promover inovação, transformação digital e diferenciação no mercado da sua empresa. 

Apesar dos mitos sobre segurança dessa tecnologia, a biometria facial está em constante crescimento no mercado e é parte essencial de empresas de sucesso.

Com ações computadorizadas e avaliações inteligentes, o RF promete ser o método de autenticação mais eficiente de todos os tempos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Gryfo, onde você pode encontrar diversos conteúdos informativos sobre reconhecimento facial.